Wednesday, 4 April 2007

O QUE MAIS QUERIA NA VIDA.

Como a outro semelhantemente, porque não me desprezas, para assim seguir a minha vida.
Solidão, tanto quanto sabes menosprezo eu a tua existência. Porque tu a mim, te grudas-te como se eu fosse tua criação.
Nunca te evoquei, nunca te desejei, nunca te solicitei coisa alguma. Tu segundo uma bazofiadora grudaste-te a mim, e tens exactamente a noção do que me tens feito.
Eu sei que sim, mas agora aqui sem temor algum, digo-te…
Tenho amado como ninguém, mas por pecado teu, tenho sofrido como ninguém
Deplora comigo, vá faz qualquer coisa em tua defesa, ou será que a tua cobardia é tanta assim
Deve mesmo ser uma cobardia descomunal e repugna-te, a tua.
Mas posso dizer-te que, de estes anos todos que juntas temos estado
Na verdade tens sido a minha companheira de sempre
Pois então não entendo esse teu silêncio maléfico
Solidão sabes tanto quanto eu o que eu quero e o que queria e o que sempre quiz.
Mas o facto de termos sido inseparáveis companheiras, jamais amigas
Posso te dizer agora mesmo o quanto te desprezo, o quanto te odeio
Contigo minha cara não há felicidade, contigo a esperança não existe em nós, contigo só o mal persevera ………. Por isso és algo muito maléfico e desprezível e mais te vou dizer aqui, pois perdi o medo de ti,
Solidão contigo, só existe mesmo é tristeza, mágoa, rancor e os sorrisos transcorrem todos por nós, despercebidamente por culpa tua, se pensas que esse medo que inflamas nos seres a que te grudas………. Esquece pois todos os que por ti estivemos agarrados, amarrados, conjuntamente te abandonaremos de uma forma ou de outra.
Desiste ó Solidão…
Deixa que possamos ter, o que tu não sabes nem nunca saberás pois a tua ignorância, não vou dizer vasta; isso era demasia bom para ti, vou dizer sim, que a tua ignorância é nada mais, nada menos do que limitada……e todos nós próprios o sabemos, a tua companhia repela qualquer ser humano…………….E mais não o deixa ter nem ser ele próprio
Sabes que te digo mais………….aíiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii, solidão; se um dia tivesse o poder da humanidade, nem que fosse por segundos…….Dedicava-os somente á tua destruição.
Solidão.
Tenho pena de ti…


Freuda (cristina pena)
16/10/2006

No comments: